BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Brasil e Mundo Única sobrevivente de Explosão de Aviãono ar em 1972 morre aos 66 anos

Loca lead

Única sobrevivente de Explosão de Aviãono ar em 1972 morre aos 66 anos

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

serbia-vulovic-obit-fran

Vesna Vulovic virou celebridade depois de sobreviver a dramático acidente aéreo (Foto: AP Photo/Marko Drobnjakovic)

Imagine ser o único sobrevivente de um dramático acidente aéreo. Foi o que aconteceu, 44 anos atrás, com Vesna Vulovic, uma aeromoça que escapou viva da explosão e da queda de um avião a 10 mil metros de altura. Um acidente que até hoje é um mistério - e que acabou por transformá-la em uma militante política.

 


Vesna voltou ao noticiário após ser encontrada morta em sua casa em Belgrado, onde morava sozinha com três gatos, no último dia 23. Ela tinha 66 anos.
A causa da morte não foi divulgada.

 

Explosão no ar


No dia 26 de janeiro de 1972, Vulovic estava trabalhando a bordo de um DC-9 da companhia Yugoslav Airlines quando o avião explodiu sobre uma cadeia de montanhas da antiga Tchecoslováquia.
A aeromoça foi a única sobrevivente entre os 28 passageiros e tripulantes.
De acordo com as investigações, Vesna ficou presa por um carrinho de comida na parte de trás do avião, que se partiu no ar.
A cauda do DC-9 caiu em uma montanha coberta de árvores e neve que, segundo os peritos, amorteceram o impacto da queda.
Ela foi salva por Bruno Honke, um lenhador da aldeia de Srbská Kamenice, que ouviu seus gritos no escuro, em meio aos destroços do avião.
A primeira explicação para o acidente foi de que uma bomba teria sido colocada a bordo por nacionalistas da Croácia durante a escala em Copenhague, na Dinamarca.
No entanto, as caixas-pretas nunca apareceram - nada ficou provado e ninguém foi preso.
Versão fantasiosa?
Em 2009, os repórteres investigativos Peter Hornung e Pavel Theiner, de Praga, informaram que o avião teria sido confundido com uma aeronave inimiga e derrubado por um caça da Força Aérea tcheca.
Baseados em documentos secretos da autoridade de aviação civil da antiga Iugoslávia, os jornalistas acreditam que a polícia secreta tcheca criou a versão contada por Vesna para encobrir o erro dos militares.
A polícia secreta iugoslava também colaborou, segundo a tese dos jornalistas.
A história da aeromoça era tão boa, disseram Hornung e Theiner, que ninguém fez perguntas ou duvidou dela.
Depois de chegar no hospital, Vesna passou 10 dias em coma. Ela fraturou o crânio, duas vértebras, a pélvis, várias costelas e as duas pernas.
"Eu estava toda quebrada e os médicos juntaram meus pedaços de novo", contou em entrevista de 2008 ao jornal americano "The New York Times".
"Ninguém nunca imaginou que eu ia viver tanto".
Recordista
A queda deu a Vesna Vulovic um lugar no Guinness World Records, o "Livro dos Recordes", em 1985, como a sobrevivente da maior queda livre sem paraquedas.
A aeromoça ficou temporariamente paraplégica, mas depois que se recuperou plenamente voltou a trabalhar no balcão da Yugoslav Airlines.
Ela dizia que não se lembrava do acidente nem do resgate e continuou voando como passageira.
"As pessoas sempre queriam sentar perto de mim nos voos", contou.
A incrível história transformou Vesna em celebridade na Sérvia, e ela aproveitou a fama para se tornar uma ativista política.
Em 1990, foi demitida pela empresa aérea por participar de protestos contra o então presidente Slobodan Milosevic, mas não chegou a ser presa. Nas duas décadas seguintes, continuou lutando contra o nacionalismo.
"Sou como um gato, tenho sete vidas," afirmou ao "New York Times". "Mas se as forças nacionalistas triunfarem neste país, vou ficar com o coração partido".

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Novos Vídeos