BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Brasil e Mundo Descendente da 'família real' brasileira é um dos líderes de grupo anti-Dilma

Loca lead

Descendente da 'família real' brasileira é um dos líderes de grupo anti-Dilma

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

acorda

Do Estadão - Criado por dissidentes de outros grupos, o Acorda Brasil tem 117 mil seguidores no Facebook, uma agenda econômica ultraliberal e nomes da alta sociedade entre seus fundadores. Um dos líderes do grupo, por exemplo, é o empresário Luiz Philippe de Orleans e Bragança, sobrinho de Luís Gastão de Orleans e Bragança, homem que, se o Brasil fosse uma monarquia, seria hoje o "imperador" da nação.

O Luiz do Acorda Brasil não gosta de misturar os assuntos de sua família à militância que promove contra o governo Dilma Rousseff. "Eu milito pelo Estado de Direito", diz, sempre que questionado sobre o que acha do discurso de parentes que defendem a volta da monarquia. Apesar disso, não faz coro aos críticos da família. "São brasileiros, acima de tudo", diz e encerra o assunto.

Com formação em ciências políticas, Luiz Philippe é um dos cabeças do Acorda. Ele começou a militar em grupos antigoverno há cerca de três anos. Gosta de se descrever como um pequeno/médio empresário que vive da distribuição de autopeças. Diz que sente a deterioração do ambiente econômico diariamente nos negócios. "Todos os dias tem gente que me liga para dizer que vai fechar as portas", afirma. Seu maior cliente, garante, fatura cerca de R$ 30 milhões por ano.

"Quem sustenta o governo hoje não é o povo, nem os trabalhadores. É a elite. E eu não estou falando de elite, gente que ganha bem. Falo dos grandes bancos, dos grupos de mídia. São esses que ainda seguram o governo", afirma.

Ele descreve o Acorda Brasil como um movimento mais focado em formular e vender ideias do que mobilizar multidões a irem às ruas. O grupo se notabilizou por apostar em ações que envolvam um número pequeno de pessoas, mas tenham impacto midiático. Ajudou, por exemplo, nas vigílias e apitaços em frente a órgãos públicos.

O Acorda defende a saída da presidente Dilma Rousseff do Palácio do Planalto "de qualquer jeito". "Em qualquer outro país você já teria mecanismos para rever isso, para fazer essa troca. Como é que se sustenta um governo que 80% da população não quer mais? Nada acontece?", indaga. Luiz Philippe diz que a população está à frente dos políticos e que tem pressionado por mudanças no sistema sozinha. "Não existe oposição."

Ele diz que grupo quer a saída de Dilma, mas não defende a tomada de posse do vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP), "nem Aécio Neves [PSDB-MG]".

Então qual a saída? O grupo defende um modelo de maior autonomia para Estados e municípios gerirem seus recursos e suas leis, o que dependeria de uma ampla –e improvável– reforma. "É justo um imposto que é gerado em um Estado ser gasto por ele. Quem está em Brasília não conhece as prioridades de cada lugar", justifica. O Piauí ou o Maranhão sobreviveriam só com o que arrecadam? "O Piauí é um Estado rico. O Brasil é rico", garante.

O empresário faz reparos a programas de transferências de renda, como o Bolsa Família. "Cada estado deveria determinar a sua prioridade. Existe um custo. Não é possível manter para sempre. É positivo, claro, mas sem um viés de transição, sem uma porta de saída, não dá", afirma.

A autonomia dos Estados e municípios para a gestão dos valores arrecadados também se aplicaria à legislação penal, à exemplo do que ocorre nos Estados Unidos.

CONTRA CORRUPÇÃO

Nas manifestações deste domingo, o grupo abraçou como causa o projeto de lei de iniciativa popular do Ministério Público Federal que elenca dez ações para o combate à corrupção. Vão aproveitar a manifestação para coletar assinaturas. Para validar o projeto, são necessárias 1,5 milhão de apoios.

Luiz Philippe diz que é o sistema centralizador praticado no Brasil que mantém a presidente Dilma Rousseff no poder. "Em qualquer outro regime, ela já teria caído", ele diz.

O Acorda prega que sua principal bandeira é o fortalecimento das instituições e dos entes federativos. "Desse modo, a presidente seria apenas mais um personagem nessa teia. Os danos por uma eventual troca seriam muito menores", diz.

Questionado então sobre porque decidiu engrossar um movimento pela derrubada da presidente mesmo reconhecendo que a saída dela do poder não esgotaria a agenda que prega, diz que "o principal é ser legítimo". "Nós estamos aqui para dizer que não termina com a saída da Dilma. Não queremos poder político, queremos vender ideias", sustentou.

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Novos Vídeos