BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Borborema e Novo Horizonte Exposição dos Mantos de N.Senhora recebe centenas de visitas em Borborema

Exposição dos Mantos de N.Senhora recebe centenas de visitas em Borborema

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

bor

por José Commandini Neto/colaboraçãoNa terça-feira, 02, foi encerrada a Exposição: “CUBRA-ME COM SEU MANTO DE AMOR E RESTAURA A MINHA VIDA”, que expondo os mantos de Nossa Senhora Aparecida, comemorou os 40 anos da restauração da imagem original de Nossa Senhora Aparecida.

A ideia desta exposição foi proposta pelo Santuário de Nossa Senhora Aparecida de Borborema, ao pároco Walterlei Anderson de Sá, que apoio a iniciativa. Ao todo foram 10 mantos expostos, onde em cada um havia informações sobre a confecção, ano, nome do doador, significado e quais festas foram utilizados. Muitos desses mantos foram ofertados por devotos que através da intercessão de Nossa Senhora Aparecida, tiveram algo restaurado em sua vida através de uma graça.

A mostra foi aberta oficialmente no domingo da Assunção de Nossa Senhora, em 19/08, data exata dos 40 anos da restauração, sendo uma maneira de estarmos unidos com o Santuário nacional nesta comemoração dos 40 anos.

Além da comunidade a exposição foi visitada pelo Brasa, Sociedade São Vicente de Paulo, turmas de Catequese do Santuário, Sociedade São Vicente de Paulo, Perseverança, Apostolado da Oração - Núcleo Santuário e pelo grupo do terço dos Homens do Santuário.

Durante a visita orientada os participantes ouviam que há 40 anos o restauro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida representou para o Brasil um sinal importante de restauração, também da fé e da força do povo brasileiro, já que o que parecia impossível foi feito em apenas 33 dias pela restauradora Maria Helena Chartuni.

Segundo a própria Maria Helena, a restauração não seria possível sem a ação de Deus. “Durante o trabalho, eu senti que tinha um apoio espiritual. Depois desse restauro, comecei a perceber que eu tinha tocado em algo sagrado”.

Segundo o reitor do Santuário Nacional, padre João Batista de Almeida, a escolha pelos 40 anos se deve ao significado que este número tem dentro da espiritualidade cristã. “O número 40 tem um simbolismo de caminhar para a libertação”, diz.

Padre João Batista afirma que “celebrar os 40 anos é convidar o povo brasileiro a um momento de oração e restauração da expectativa por dias melhores”.

O número quarenta aparece no Antigo Testamento e Novo Testamento, de diferentes formas e maneiras: 40 dias e 40 noites do dilúvio (Gn 7,4.12); 40 dias e 40 noites Moisés passa no Monte (Ex 24,18; 34,28; Dt 9,9-11; 10,10); 40 anos foi o tempo da peregrinação pelo deserto (Nm 14,33; 32,13; Dt 8,2; 29,4, etc.); 40 dias que Jesus jejuou antes de começar seu ministério (Mt 4,2; Mc 1,12; Lc 4,2); 40 dias depois da Ressurreição acontece a ascensão de Jesus (At 1,3).

Ao longo da história da Padroeira do Brasil a pequenina Imagem sempre foi alvo de muitos estudos e pesquisas. Entre esses registros um é bastante peculiar: os mantos que cobriram a Imagem ao longo dos últimos trezentos anos.

Algumas referências encontradas sobre os adereços colocados na Imagem apontam como os mais comuns, o manto e a coroa. O inventário dos bens e alfaias sagradas do Santuário Nacional, com data de 5 de janeiro de 1750, cita um desses mantos utilizados pela Imagem de Aparecida: “Um manto de carmesim (vermelho) com ramos de ouro aplicados no mesmo, doado por Francisco Soares Bernardes da cidade de Mariana (MG)”. Segundo o autor, os objetos eram colocados para disfarçar a quebra da Imagem.

Dos mantos utilizados na Imagem da Padroeira do Brasil ao longo de sua história, existem algumas informações e poucos foram armazenados. Dos encontrados, os dois são relacionados à cerimônia de Coroação de Nossa Senhora Aparecida, em 1904.

O primeiro está em exposição no Museu do Santuário, foi doado pela Princesa Isabel em dezembro de 1868, como agradecimento por ter conseguido dar ao trono brasileiro um herdeiro. O segundo manto devido ao seu estado de deterioração está armazenado na Reserva Técnica do Santuário. O manto que na época era de cor azul anil hoje pouco guarda dessa tonalidade. O manto ofertado pela princesa está em exposição no Museu e ainda guarda tonalidades vivas e ornamentos bastante preservados.

O primeiro retrato que se tem notícia da Imagem original foi feito pelos fotógrafos franceses Luiz Robin e Valentim Fraveau, em 1869. Nesta aparece um manto utilizado pela Imagem naquela época.

Peritos constataram que a Imagem primitiva tinha um manto de cor azul escuro e o forro vermelho granada. Estas eram as cores oficiais, conforme determinação de Dom João IV, de 25 de março de 1646, quando tornou a Santa Virgem, sob a invocação da Imaculada Conceição, Padroeira do Reino de Portugal e seus domínios, que incluía o Brasil. Ao longo dos anos, foi adicionado um sobremanto em forma triangular e uma coroa, o que permanece até os tempos atuais.

Foi com uma coroa também ofertada pela Princesa Isabel, que se realizou a Coroação de Nossa Senhora Aparecida, em 1904. Dessa coroa, uma réplica está em exposição no Museu, junto com o manto ofertado pela Princesa, utilizado na mesma celebração.

Nos mantos de Nossa Senhora Aparecida é comum estarem destacadas as bandeiras do Brasil e do Vaticano, identificando assim a unidade da Igreja com o Papa.

Ao longo dos últimos quase três séculos o manto da Padroeira do Brasil sempre quis representar a realeza de Maria, enquanto Mãe do Redentor da Humanidade. Ao longo da história, muitos foram os mantos que cobriram a Imagem da Padroeira, mas um em especial remete ao seu achado em 1717: as mãos de Filipe Pedroso. Ele foi um dos pescadores presentes no milagre nas águas do rio Paraíba. Ele mesmo com suas mãos uniu a cabeça ao corpo a pequenina Imagem com cera de abelha e assim foi o primeiro a venerar a Rainha e Padroeira do Brasil.

Desde 2010 as Irmãs Carmelitas bordam os mantos que são colocados na Imagem que fica no Altar Central durante a Novena e Solenidade da Padroeira em Aparecida. Durante a peregrinação dos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida pelos estados do Brasil e o Distrito Federal, a imagem de Aparecida era apresentada aos devotos, com um manto especialmente confeccionado para cada uma das visitas, onde além das bandeiras do Brasil e do Vaticano, foram incluídas as bandeiras estaduais.

Em Aparecida todo dia 12 é realizada a Cerimônia do Manto de Nossa Senhora, onde são abençoados mantos que são enviados para os devotos que contribuem para as obras do Santuário Nacional. Borborema é a única paróquia da Diocese que também realiza essa cerimônia, mas ao contrário de Aparecida, ela é realizada apenas quando o Santuário de Borborema recebe um novo manto doado para a Padroeira.

Esse manto então é abençoado seguindo o mesmo rito de Aparecida, e revestido na imagem do altar principal. A única diferença que esta cerimônia é realizada durante a celebração da Santa Missa, pois com Maria estamos unidos na mesa da Eucaristia.

A cerimônia de benção e troca do manto foi realizada pela primeira vez pelo padre Valmir Davi de Oliveira, em 03 outubro de 2013. A segunda vez que se realizou esta cerimônia, foi em 07 de junho de 2015, pelo padre Pedro de Celso Gardini. Neste dia foram abençoados dois novos mantos.

O Santuário de Nossa Senhora Aparecida agradece a todos que visitaram a exposição, a Prefeitura Municipal, Moldubox, Lucimara Decorações e Requinte Móveis, que colaboraram para sua realização, e em especial a Paróquia São Sebastião de Borborema pelo incentivo e apoio.

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Últimas Notícias

Novos Vídeos