BLUE GREY RED
YOU ARE HERE Home Notícias Policial Mulher morta em queda de ultraleve sonhava voar: 'Era a 1ª vez', diz amiga
JKA

Loca lead

Mulher morta em queda de ultraleve sonhava voar: 'Era a 1ª vez', diz amiga

Avaliação do Usuário
PiorMelhor 

ultra2

Uma das vítimas da queda de um ultraleve que matou duas pessoas em Botucatu (SP), no sábado (11), Maria José Quaresma de Jesus estava voando pela primeira vez. Ela e o piloto, o técnico de som César Titton, de 61 anos, morreram no local da queda, a cerca de 500 metros da pista de onde tinham decolado minutos antes.

Segundo a amiga Jaqueline Aparecida da Silva, esse era um dos sonhos de Duda, de 34 anos, como era chamada. “Ela sempre quis voar, era a primeira vez que ela ia voar e estava muito feliz, empolgada. Infelizmente para realizar esse sonho que ela tinha, ele acabou levando ela. Mas tenho certeza que ela foi muito feliz com o sonho realizado."

Ainda segundo Jaqueline, a amiga tinha sido promovida no emprego e voltaria a trabalhar na segunda-feira (13). “Ela estava muito feliz com mais essa realização profissional na vida dela, nós conversamos bastante nessa última semana e ainda não caiu a ficha que eu não vou mais ter ela para conversar”, lamenta.
Segundo informações de colegas, Duda e o piloto tinham uma amiga em comum que sabia do sonho dela de voar, então eles combinaram o passeio no sábado.

‘Vi o avião caindo’
Namorada do piloto há quatro meses, Gisele Terra seria a próxima a subir no ultraleve. “Nós combinamos de encontrar as amigas dele no aeroporto. Ele disse para mim que levaria a moça primeiro porque era a primeira vez que ela iria voar e depois, se tivesse tempo, nós íamos dar uma volta”, conta. Gisele estava no aeroporto e acompanhou a decolagem e a queda da aeronave.

“Ele decolou normal, mas estranhei que ele estava voando muito baixo e um pouco virado. Eu não o vejo fazer esse tipo de manobra, e depois a aeronave subiu um pouco e caiu de bico. Só ouvi o barulho. Eu fiquei preocupada na hora, mas achei que era um acidente que ele sairia ileso ou no máximo machucado, não vi a gravidade naquele momento”, lembra.

Gisele só recebeu a notícia depois que um dos funcionários do aeroporto foi até o local do acidente. “Eu saí correndo, fiquei desesperada, porque não queria acreditar, precisava ver o avião, o local do acidente.” Gisele costumava acompanhar César nos voos. Ele tinha mais de 25 anos de experiência e sempre voava por lazer. "Era um tipo de coisa que ele estava muito acostumado a fazer, por isso estamos tentando entender o que aconteceu. Eu não espera nunca que isso fosse acontecer. Ele vai fazer muita falta."

O corpo do piloto foi velado e enterrado na tarde de domingo. O sepultamento foi no Cemitério Portal das Cruzes. Já a o corpo da passageira será enterrado nesta segunda-feira (13), às 10h30, no cemitério Jardim.

A aeronave
César era proprietário da aeronave que é classificada como experimental. “A aeronave é homologada junto ao aeroclube para voos, sempre com um instrutor. E ela possui toda a documentação que autoriza esse tipo de voo. A aeronave era certificada para voar, estava com todas as revisões em dia, nós inclusive a levamos há três meses para São Pedro para fazer uma revisão geral, documentação tudo em dia para poder voar”, explica o aluno de aviação e amigo do piloto, Valney Santos.

Segundo informações da Anac, Agência Nacional de Aviação, as aeronaves experimentais podem ter construção amadora e não passam por todos os testes e requisitos necessários para certificação, mas ela possui a documentação específica e são necessários diversos procedimentos para que seja autorizado o voo, que só pode ser realizado em espaços restritos e pouco povoado, além disso, o transporte de pessoas e produtos com fins lucrativos é proibido. Elas são comumente utilizadas para lazer, recreação, demonstração ou para experiências tecnológicas.

Investigações
As causas da queda do ultraleve ainda serão investigadas. Por ser tratar de uma aeronave experimental, a investigação do acidente é de responsabilidade da Polícia Civil e não envolve os técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

Segundo a delegada Simone Firmino, que esteve no local do acidente e registrou a ocorrência no plantão policial, a documentação da aeronave e do piloto estavam em ordem. “Aparentemente a documentação estava em ordem, ele tinha autorização para o voo, era um piloto experiente, mais de 20 anos de experiência, tinha documentação, plano de voo, tudo correto."

Ainda de acordo com informações do boletim de ocorrência, a aeronave foi periciada e recolhida por representantes do proprietário.
* Com informações Romulo D' Avila/ TV TEM.

Comente:

Compartilhe:

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Novos Vídeos