A servidora pública Viviane Honorato, de 30 anos, denuncia que o saldo da conta dela passou de R$ 65 mil para R$ 0,58, após ser vítima do “Golpe do PIX”, em Luziânia, no Entorno do Distrito Federal. A mulher conta que se cadastrou no serviço bancário, que realiza transferências e pagamentos de forma digital, há menos de um mês e não imagina como o crime aconteceu.

“A gente fica apreensiva, não sabe como eles estão fazendo esses golpes, eu estava com planos de comprar uma casa e preciso ser ressarcida”, diz a mulher.

A servidora relata que deu falta do dinheiro no último dia 18 de maio. Ao conferir o extrato, ela diz que viu mais de 13 transações com nomes de pessoas diferentes e desconhecidas, entre transferências e boletos.

Viviane pontua que liga na ouvidoria do banco pelo menos uma vez por dia para ter mais informações sobre o que aconteceu com o dinheiro dela, mas alega que, até esta quarta-feira (26), a instituição diz que o caso está sendo analisado.

Em nota, o Banco Pan informou que está em contato com Viviane para prestar todos esclarecimentos necessários e solucionar o caso. A instituição, no entanto, não falou sobre como o golpe foi realizado nem forneceu informações sobre a investigação.

O delegado titular do Grupo de Repressão a Crimes Patrimoniais (Gepatri) de Luziânia, Carlos Alfama, informa que a vítima será intimada, na quinta-feira (27), para prestar depoimento em uma data a ser definida. De acordo com o investigador, o modo que o crime foi feito é inédito no município, pois a servidora diz que não teve o celular clonado ou forneceu dados pessoais a terceiros.

“É um caso que chama atenção, porque foge da regra de fraudes do meio virtual. O acesso de terceiros às contas é comum, feito através de vírus de computador, por exemplo, mas nesse caso específico foi algo novo”, afirma o delegado.

O titular da Gepatri diz que é cedo para divulgar hipóteses de como o crime aconteceu. Ele afirma que o depoimento de Viviane vai facilitar o prosseguimento do inquérito e o início das diligências.

PIX e segurança: o que vale a pena saber antes de usar o novo método de pagamentos e transferências

O PIX é o novo método brasileiro de pagamentos digitais e transferências bancárias. Ele se parece um pouco com a TED (Transferência Eletrônica Disponível), mas também é diferente – principalmente pela ausência de taxas (ou taxas reduzidas) e por funcionar 24 horas por dia.

 Como sempre, criminosos já estão se aproveitando do interesse das pessoas e empresas pelo PIX, elaborando golpes e fraudes.

 Para esclarecer dúvidas e facilitar o uso seguro do PIX, o blog Segurança Digital preparou algumas dicas e observações importantes sobre essa tecnologia. Confira:

 De olho nas fraudes

Fraudes envolvendo o PIX começaram a circular ainda antes da tecnologia ser disponibilizada para uso. Portanto, é preciso ficar atento a alguns pontos:

-Não é obrigatório cadastrar chaves no PIX: O PIX pode ser usado como uma TED, por agência e conta, sem o cadastramento de chaves. Se facilitar recebimentos não é interessante para você, saiba que sua conta já está preparada para realizar pagamentos com o PIX.

-O cadastro no PIX é feito pelo internet banking ou por aplicativo: Ignore qualquer e-mail que prometa cadastrar você no PIX.

-O cadastramento de chaves é feito pelo internet banking ou pelo aplicativo do seu banco. É simples e rápido.

-O banco já deve ter suas informações para o cadastro no PIX: Na maioria dos casos, você não precisa ceder novas informações ao banco para poder usar o PIX. O CPF, o endereço de e-mail e o número de telefone normalmente já fazem parte do seu cadastro como correntista. Além disso, se você não for usar o endereço de e-mail ou telefone como chave, elas não fazem parte do cadastro no PIX.

-O PIX não é um cartão de crédito: O PIX, sendo uma transferência bancária, não oferece a mesma proteção ao consumidor que o cartão de crédito – que pode ressarcir clientes quando produtos não são entregues, por exemplo. Essa proteção pode ser fornecida por intermediadores de pagamento, como já acontece hoje, mas não é inerente ao PIX.

-O PIX funciona em maquininhas: Embora não seja um cartão de crédito, é possível receber dinheiro através do PIX por meio de algumas das mesmas maquinhas que fazem cobrança por cartão. A máquina gera um QR Code que pode ser lido e pago pelo seu app bancário.

-Atenção para o beneficiário: Antes de confirmar uma transferência pelo PIX, é possível conferir os seguintes dados de quem vai receber o dinheiro: nome completo; seis dígitos do CPF e instituição financeira. Não prossiga com o pagamento ou transferência se essas informações estiverem diferentes do esperado.

 Como as chaves do PIX afetam sua privacidade

Além das taxas reduzidas e a possibilidade de transferir dinheiro 24 horas por dia, o grande diferencial do PIX é o uso de "chaves".

Uma transferência por TED exige que você saiba o nome e o CPF do beneficiário, além dos números de agência e conta. O PIX só exige que você saiba uma "chave", que pode ser o número de telefone, e-mail ou CPF.

Talvez seja fácil entender essas "chaves" como um "resumo" ou "código de consulta". Se você cadastra o seu e-mail como chave, essas outras informações (agência, conta, nome completo e CPF) ficam associadas a ele.

Quando alguém realiza uma transferência para você, a "chave" permitirá buscar esses dados e concluir a transferência. Associar informações como o e-mail e telefone a dados bancários normalmente traz riscos.

O Banco Central, que é responsável pela operação do PIX, afirmou ao blog que que não vê um risco adicional para o cadastramento de chaves e explicou que existem tecnologias para impedir que criminosos "raspem" esses dados da base do PIX, limitando o número de consultas que podem ser realizadas por contas específicas e instituições bancárias.

O BC também defendeu a exibição das informações associadas à chave no momento da transferência para resguardar o pagador.

Para o Banco Central, "há um entendimento geral de que o compartilhamento dessas informações não representa risco significativo para os usuários. Pelo contrário: as informações ajudam o pagador (que normalmente é a parte mais vulnerável da transação) a confirmar a identidade do recebedor, tornando o processo mais seguro".

Em outras palavras, se nenhuma informação for exibida sobre o beneficiário da transferência, um criminoso terá mais facilidade para desviar o dinheiro para uma conta diferente.

Existe uma chave 'melhor'?

Para quem recebe dinheiro só às vezes, é interessante usar o PIX com uma chave aleatória ou não cadastrar chave nenhuma.

A chave aleatória permite receber dinheiro pelas informações completas do cadastro (agência e conta) e por QR Code, e não associa sua conta bancária aos seus dados de contato.

Você também não precisa cadastrar o seu e-mail ou telefone para poder enviar dinheiro – a sua escolha de chaves só influencia os recebimentos.

Se você recebe dinheiro frequentemente porque realiza serviços como autônomo ou como empresa, cadastre as chaves que seus clientes possam usar com mais facilidade.

Se você faz muitos atendimentos por telefone ou WhatsApp, por exemplo, faz mais sentido que o telefone seja sua chave PIX.

Já se você possui uma empresa que presta serviços para outras empresas, o cadastro do CNPJ como chave pode ser interessante, já que esse é um dado obrigatório nas notas fiscais. Qualquer cliente poderá facilmente realizar um pagamento ou conferir pagamentos anteriores pelo CNPJ.

Empresas normalmente já divulgam dados de contato publicamente, de modo que não há um risco adicional por cadastrar essas chaves. Mas este nem sempre é o caso para consumidores e pessoas físicas em geral.

Lembre-se que uma chave só pode direcionar a uma única conta, mas uma mesma conta pode ter até cinco chaves. Se você possui várias contas bancárias, você pode cadastrar cada conta em uma chave diferente (uma para o telefone e outra no e-mail, por exemplo) para ter mais flexibilidade no uso do PIX.

Nome, banco e 6 dígitos do CPF: os dados públicos do PIX

Quando você cadastra uma chave no PIX, ela será associada ao seu nome completo, ao seu CPF e à instituição financeira. Qualquer pessoa que souber seu número de telefone, CPF ou endereço de e-mail – caso você cadastre um desses dados como "chave" no PIX – poderá consultar esses dados.

O CPF é parcialmente ocultado e deixará apenas seis dígitos expostos. Porém, se você cadastrar o próprio CPF como chave, ficará muito fácil associar o seu CPF ao seu nome completo e ao banco do qual você é correntista.

Essa associação de informações pode permitir que criminosos "estudem" suas vítimas antes de iniciar uma tentativa de golpe.

Por exemplo: se você cadastrou seu número de celular no PIX, um golpista poderia consultar seu cadastro e ver de qual banco você é cliente antes de telefonar para você e tentar se passar por um funcionário desse banco. O golpista também terá o seu número de CPF em mãos.

Para evitar esse cenário, o Banco Central afirmou ao blog que criou sistemas de monitoramento e regras que verificam o número de consultas ao PIX em comparação com o número de transferências realizadas.

 Isso vale por banco e por cliente, de modo que um criminoso não poderia consultar diversas pessoas em sequência com facilidade.

 Essa medida reduz bastante as possibilidades para os golpistas. No entanto, como o sistema do PIX é novo, é difícil de afirmar até que ponto as medidas terão eficácia. Redes sociais têm adotado sistemas semelhantes há anos, mas isto não impediu por completo a raspagem e a coleta de dados.

Se você cadastrar qualquer chave com dados de contato ou dados pessoais no PIX, lembre-se que você está, na prática, tornando essas informações públicas.

Não temos o hábito de imaginar que qualquer pessoa possa saber em qual banco nós temos uma conta, mas o PIX permite exatamente isso se você cadastrar seu telefone, e-mail ou CPF como chave.

 Por determinação do Banco Central, as instituições financeiras devem exibir um aviso no momento do cadastramento das chaves que explica a associação dos dados.

 É importante não se esquecer disso caso você venha a receber mensagens ou telefonemas fraudulentos.

 O risco à nossa segurança muitas vezes deriva das nossas expectativas sobre o que outras pessoas sabem de nós; se você entender que o PIX expõe algumas informações suas e que essa exposição serve para ajudar quem está realizando as transferências, você vai conseguir perceber quando criminosos estiverem tentando usar os dados do PIX de forma ardilosa.

G1

A Prefeitura de Itápolis está disponibilizando descontos e novas formas de parcelamento para pagamento de débitos em atraso dos tributos municipais.

Benefícios para pagamento de tributos à vista
No pagamento à vista de tributos municipais em atraso, o contribuinte tem desconto de 95% nos juros e 75% na multa, para adesão até o dia 10/12/2021.
Parcelamento do pagamento de tributos a prazo
No pagamento parcelado de tributos municipais, o contribuinte pode dividir o valor em até 36 vezes, com parcela mínima de R$ 50,00, para adesão até 20/12/2021.

Contribuintes que estejam com débitos ajuizados podem aderir ao pagamento à vista com desconto ou parcelado. Nos casos já protestados, os contribuintes com débitos em atraso não podem aderir aos programas.

Fonte: Prefeitura de Itápolis

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Itápolis informa que estão disponíveis as seguintes vagas de emprego:


Os interessados deverão entrar em contato pelo telefone: 3262-8150.
Não esqueça de ter os seguintes documentos em mãos:

- RG;

- CPF;

- Carteira de Trabalho;

- Número Ativo do PIS;

- Certificado de Conclusão de Curso (opcional).

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) terão que voltar a fazer prova de vida para não terem seus benefícios bloqueados. Com a obrigatoriedade suspensa desde março do ano passado, por conta da pandemia, as provas de vida serão retomadas a partir de junho.

Para essa retomada, o INSS estabeleceu um novo calendário, baseado no mês em que a comprovação de vida teria sido feito se não tivesse havido suspensão.

Assim, quem tinha, por exemplo, que fazer a prova de vida em março e abril de 2020, deverá fazer até junho deste ano. Já quem tinha que provar que está vivo entre março e abril deste ano para continuar recebendo o benefício terá de fazer isso até dezembro para não ter os pagamentos bloqueados.

Leia mais...

O Banco do Povo oferece diferentes linhas de crédito para apoiar os empreendedores formais e informais e configura um importante apoio diante do enfretamento da pandemia da Covid-19.Por isso, a Prefeitura de Itápolis está intensificando a divulgação desta oportunidade: a taxa de juros é a partir de 0,35% ao mês para Pessoa Jurídica e 1% a.m. para Pessoa Física.

Leia mais...

Os trabalhadores poderão saber só a partir desta sexta-feira (2) se receberão a nova rodada do Auxílio Emergencial. A previsão inicial do governo era que a consulta poderia ser feita a partir desta quinta-feira (1º) – mas a liberação das consultas foi adiada para sexta.

O ministro da Cidadania, João Roma, afirmou em entrevista à radio CBN que o sistema online para consultas ainda está sendo finalizado e que, a partir desta sexta-feira a consulta estará disponível pela página ministério e também pelo site da Dataprev e pela Caixa. "É uma gama muito grande informação, envolve várias instituições", disse.

A consulta poderá ser feita pela página https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/consulta/#/, informando o CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento. Também poderá ser feita também pelos canais da Caixa: pelo auxilio.caixa.gov.br ou pelo telefone 111.

Leia mais...

O Projeto Jovem Agricultor do Futuro, direcionado para jovens de 14 a 17 anos, implantado pela Prefeitura de Itápolis em parceria com o Sindicato Rural Patronal e FAESP/SENAR, terá seu período de inscrição disponível de 10 a 12/02, pelo site da prefeitura. Acesse o link: https://is.gd/YkBVzC, faça seu cadastro - caso, ainda, não tenha acessado os serviços online - depois selecione a opção Inscrição Jovem Agricultor do Futuro, preencha a inscrição e anexe cópia do RG do adolescente e do responsável, CPF do adolescente e do responsável e Comprovante de Endereço.

Leia mais...

A Prefeitura de Itápolis está organizando toda logística para aplicação da vacina contra COVID-19, inclusive, já foram montados o Comitê de Enfrentamento a Covid e a Comissão de Vacinação.

O município está preparado para dar início a campanha de vacinação, assim que o Governo Estadual e Ministério da Saúde liberarem os lotes do imunizante.

Será seguido o cronograma do Programa Nacional de Imunização, vacinando primeiramente os profissionais da saúde e depois os idosos acima dos 75 anos.

A Secretaria de Saúde aguarda a chegada do primeiro lote de vacina para divulgação oficial das datas e locais de vacinação.

Fonte: Prefeitura de Itápolis